Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Adeus ao Sol

por José, em 23.02.24

Nasci tímido e perplexo, fiz-me na observação e sistemática
Nunca me escondi ou deixei de lutar
A multidão nunca mereceu a minha glória
Sem desmerecer a obra do conjunto das representações e padrões da comunidade
A lucidez é intensa no lugar do silêncio
Mais de cinco pessoas é um arraial, apontava o povo mais reservado
A mim a vida impôs-me mais reserva
O enfrentar severo da orfandade deixou grandes marcas
Procurei sempre reagir e saber do meu lugar
A família pode não ter as suas redes e competências
Porém, nada me foi imposto na definição do caminho
Apesar das dificuldades ganhei autonomia
Comprei os meus discos e livros, foi-me dado tempo livre após o trabalho
Não larguei a enxada, o machado, o motor de rega e a burra
Ainda assim na minha geração fui um privilegiado no campo
Cheguei a receber mesada, que usava com parcimónia
Vivi um sentido de liberdade responsável
Não deixei de beber e ir a festas
Se era para regressar a casa ao anoitecer era eu que me despedia do Sol à porta de casa

José Gomes Ferreira

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:05



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D